segunda-feira, fevereiro 10, 2014

BUSCANDO A CURA


 
 
 
Quantas taças
 
dessa escarlate bebida
 entorpecerão o alvoroçado
 rebuliço em meu peito?
 
De quantos dias
quantas horas
o meu relógio não badalará
para ti no condão desse sentimento
e sua voz não abalará minhas nervuras?
 
Precisarei de quantas noites
mal dormidas
comidas mal digeridas
de quantos nós na garganta
do grito que não dei, em vão?
 
De quantos silêncios
e contenções
e meditações
para transmutar em esquecimento
o que está em mim e não quer deixar de ser
 
cicatriz
nódoa
câncer
punhal que cravaste
 e não cessa o sangue?
 
De quantas peles
quantas manhãs
quantas chuvas
quantos anoiteceres
quanto para não pertencer
a esse tempo já passado
que já não é mais
que me assombra
que me recorda
o que de mim te dei?
 
De quantos eus
me bastarei pra suplantar tudo isso?
 
 


Um comentário:

  1. Bela poesia, amiga Márcia. Tens muito talento. Um abraço, querida.

    ResponderExcluir

Contribuições